English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

A VERDADEIRA HISTÓRIA POR DETRÁS DE ALICE (ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS)


Vocês já devem ter ouvido falar de Alice. Sim Alice! Aquela garota sem travas na língua que cai numa toca de coelho e acaba indo parar no que ela chamou de "País das Maravilhas". Lembrou?

Acho que todos nós estamos fadados a conhecer um pouco de Alice, seja nos livros de seu criador (Lewis Carrol), na escola, filmes, por nossos pais ou ainda através das odiáveis películas da Disney (Desculpem , mas eu não gosto. Existem exceções, eu sei). Alice participa do universo humano, mesmo que em grau inferior a outros personagens.

Os livros são ótimos (principalmente por não termos que ficar ouvindo aquelas músicas massantes das animações), o enredo é agradável e a estória se desenrola fluídicamente, como se fosse calculada. Aliás, a literatura de Carrol é matemática. Em "Alice Através do Espelho" o autor cria um jogo de xadrez literário onde as rainhas se locomovem por casas, até o cheque mate, ou seja; o final da história. É genial, não é? Bem diferente do filme de Tim Burton.

Ok, todos conhecemos um pouco de Alice e sua história, sabemos do país das maravilhas, conhecemos o coelho, a rainha de copas e...conhecemos também um "pouco" sobre o matemático autor. Bom, mas o que isso tem a ver com o terror? Justamente esse "pouco" sobre o autor.

Você sabia que Alice realmente existiu? Era uma garota chamada Alice Liddell? Que o verdadeiro nome de Carrol é Charles Lutwidge Dodgson? Que ele fotografava menininhas, uma inclusive nua? E que possivelmente era apaixonado por Alice Liddell que tinha somente 07 anos?

Não? Então clique abaixo para descobrir a verdade! 


Carrol não era nada sociável, assim como a grande maioria dos gênios, mantinha-se solitário e esquivo ao mundo. Dotado de uma gagueira e timidez inerente, o autor poucas vezes era visto em público. Criou o pseudônimo a partir de seus primeiros nomes reais em latim – Carolus Lodovicus.

Todas essas dificuldades só eram vencidas, frente as folhas em branco e às pequenas Alices para quem gostava de contar suas histórias. Vivia sempre à espreita das menininhas que encontrava em viagens de trem, nas praias ou em casas de amigos. Diverti-las era seu principal hobby. ”Gosto de crianças (exceto meninos)”, escreveu certa vez. 

Carrol e Alice
Enquanto lecionava em Oxford  Carrol conheceu Henry Liddell, pai de 3 meninas - Alice, Lorina e Edite .A verdadeira Alice era a filha de Henry, uma garotinha de 7 anos que virou musa inspiradora do livro, "Melhor Amiga" e modelo de uma série de fotos.

Depois de algum tempo a mãe da garota queimou muitas cartas de Lewis dedicadas a Alice que se despediam com "10 milhões de beijos" e pedia cachos de cabelo de presente para beijá-los em casa.

Se não bastasse Carrol também adorava desenhar e fotografar meninas seminuas, sempre com a permissão das mães (que fique claro). Poucas fotos sobreviveram com exceção de quatro ou cinco. Uma dessas fotos é de Evelyn Hatch, fotografada totalmente nua em 1878.

Parece estranho não é? Um pouco, mas seria esse um fetiche sexual do escritor? Ou somente uma doutrinação pela inocência infantil? 

Os personagens de Alice, quase todos foram influenciados pelo cotidiano do autor, portanto todos aqueles seres que vocês veem nas páginas de "Alice no País das Maravilhas" ou "Alice Através do Espelho", são psicológicos humanos reais expostos em forma de seres inexistentes. Sendo assim, seria impossível não expor aqui, nesta postagem; a loucura de todos os personagens. Todos, sem exceção (até mesmo Alice) tem um pouco de loucura, claro que, mais absurdamente vigente em alguns personagens como o Chapeleiro, a Lebre ou a Rainha de copas e mais simplória em outros, mas sempre atuante em todos os personagens e em todo o romance.

Seria todo homem um pouco louco para Carrol? E sua loucura, seria a paixão por menininhas? 

Essas são perguntas que não podem ser esclarecidas, claro que se Carrol vivesse hoje possivelmente escreveria de dentro das grades, suas atitudes são, hoje em dia, motivo para acusação de pedofilia, sem dúvida.

Essa postagem não é muito assustadora e foge um pouco da temática do blog. Eu sei! Só a escrevi porquê, uma coisa assusta sim. Nós respiramos confiança com esses clássicos, nos apoiamos e confiamos nas suas mensagens para nossas crianças. Mas a verdade é que Alice, assim como outros clássicos da literatura infantil foram feitos por pessoas normais, que podem muito bem errar ou serem ligeiramente loucas...ou às vezes totalmente.

Lembre-se, sempre que você for assistir, ler ou até contar aos seus filhos a estória de "Alice no País das Maravilhas", você sempre vai lembrar que Carrol contava  a mesma estória para sua paixão, uma menininha de 07 anos chamada Alice Liddell. 

Na minha opinião Alice boa são essas aí abaixo. Na boa, o cara é um gênio, mas tem um  péssimo gosto nas suas particularidades. 

Alice Madness Returns é o resultado da parceria entre os estúdios McGee e Spyce Horse e trata-se da sequência direta do jogo de 2000 chamado American McGee's Alice, que saiu para Windows e Mac. A nova sequência foi lançada pela Electronic Arts em junho de 2011 para PC (Windows), PS3 e Xbox 360, iPhone e iPod Touch. 

Veja o vídeo.


Ou essa...

Gosto é gosto né? Cada um com o seu!


15 comentários:

  1. rrsrs gostei desse tópico ainda mais na imagem do final ehehehe essa eu queria aki em casa heuaheau

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Junior ...Quem não queria heim? Até breve!

      Excluir
  2. Confeco que nunca tinha visto nada parecido da historia da primeira alice
    mas eu ja jogei o jogo da segunda alice mas ele riscou antes de eu dar final =(
    A terceira nao faz eu nao gostei =P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que azar Carolina o final é muito bom! Sobre a primeira Alice a história não é muito conhecida, mas é bem interessante espero que tenha gostado. É bom te-la no blog novamente você tava sumida! Já a terceira eu entendo que não goste :)

      http://www.youtube.com/watch?v=ETvQXjdSkx8 --- Quer ver o final?

      Excluir
  3. De acordo com o que está escrito na contra-capa do meu exemplar de "Alice no país das maravilhas", Alice Liddel tinha 4 anos quando Lewis Carroll lhe contou a estória. A personagem principal, Alice, é que tinha 7 anos.

    ResponderExcluir
  4. Olá Giulia. Segundo as pesquisas ela possuía também 07, mas vou aprofundar mais e se tiver errado modifico. Obrigado pela dica e pela visita. Volte sempre!

    ResponderExcluir
  5. Aaaa tbm tem que ele deve ter tomado um chá de cogumelos pra ter feito esse livro..só pode ^^'

    ResponderExcluir
  6. Aaaa tbm tem que ele deve ter tomado um chá de cogumelos pra ter feito esse livro..só pode ^^'

    ResponderExcluir
  7. além de tudo isso, já ouvi falar que Lewis Carroll foi um dos suspeitos de ser o Jack Estripador

    ResponderExcluir
  8. Quando eu li o livro "Aventuras de Alice no país das maravilhas & através do espelho e o encontrou lá",que tem comentários sobre o autor achei muito estranha a relação dele com as meninas Liddell e principalmente com a Alice,Mas não havia pesquisado nada sobre o assunto.
    Ótimo post estou adorando o quero medo.

    ResponderExcluir
  9. Sempre fui muito fã de Carrol, principalmente pela Alice e ler isso agora foi meio que um choque
    pra mim :/

    ResponderExcluir
  10. Estou chocada. Fetiche estranho. Contudo sempre pensei que o autor dessa obra é um génio louco, tem todo o jeito disso. Fiquei curiosa para ler o livro original. É difícil encontrar as estórias originais, encontram-se só as versões disney, ou versões contos de fadas. Como nas histórias que os irmãos Grimm criaram (originais da imaginação deles), havia partes bastante sádicas, como na Cinderella, em que as duas meias irmãs cortam os pés para o pé puder caber no sapatinho de cristal.

    ResponderExcluir
  11. Alice, deep web, ate a onde vai a toca do coelho, imagens da deep web de crianças chorando por causa de coelhos pertubadores acho que to paranoica

    ResponderExcluir
  12. Fatos totalmente desconhecidos. Conhecimento nunca é demais.

    ResponderExcluir