English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

CIRCO DOS HORRORES

Charles Eisenmann (1855 -1927) foi um fotógrafo que ficou famoso no inicio de 1880 e seu estúdio situava-se em Nova York. Naquela época em Bowery (pequena rua localizada ao sul de Manhattan), conviviam todo tipo de "escória", como bandidos, bêbados, prostitutas e...personagens dos circo dos horrores (Bailey Circus) que funcionava no mesmo distrito.

Essas pessoas, nada mais possuíam do que algumas deformidades humanas, mas eram, na época, consideradas aberrações ou monstros e provocavam muito fascínio nas pessoas. Deste modo apresentavam-se numa espécie de picadeiro expondo suas deformidades em troco de alguns trocados ou mesmo por comida.

Charles notando a notoriedade delas, tratou logo de fotografá-las expondo-as em diversos jornais e revistas, não demorou muito para ficar famoso e ganhar muito dinheiro com isso.

Retirei algumas fotos, pois não condizem com a temática do blog. O que ficou é bem legal e acredito que aquele que seja curioso por esse tipo de apresentação irá gostar muito.

















10 comentários:

  1. É triste, mais é de verdade.
    beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É realmente triste Janice. Naquela época havia pouco entendimento e as pessoas que possuíam alguma deformidade eram excluídas da sociedade. Ainda são, mas em grau menor. Até breve!

      Excluir
  2. Vi um cara com 3 dedos aqui no bairro, colocaram no apelido dele de Grampola...
    tadinho, nunca conseguiu ser sociável e como os dedos dele são grossos, a ultima namorada pediu pra ele enfiar na vagina dela, ele se sentiu ofendido e terminou com ela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É...até hoje a coisa continua. Essa namorada é muito insensível e ninfomaníaca. Mas infelismente a história é um pouco engraçada.

      Excluir
  3. na segunda foto é o Khal Drogo.... tem até o Chewbacca aí :)
    (com todo o respeito!)

    ResponderExcluir
  4. fui a um museo, no Mexico, que se chamava Ripley

    caraii.....


    existiam milhares de coisas desse tipo


    mulher barbada, homem de duas faces


    ..........



    doidera

    ResponderExcluir
  5. É completamente triste expôr estas pessoas como meio de diversão para o publico. Acho uma atrocidade, mas na altura como a medicina não era muito evoluída, aquilo era o desconhecido e aberrações que repugnavam o público como os divertia ao mesmo tempo. Ninguém se preocupou o facto de aqueles pessoas se sentiam confortaveis, porque pelas fotos nenhuma delas se mostra sorridente, não sei se foi a intenção do fotografo, mas enfim. ALém do mais ele ficou famoso por devido aos maus dos outros o que detesto completamente.
    Hoje em dias existe algumas doenças expostas ali, muitas não têm ainda tratamento, outras com o tempo e com os tratamento desaparecem.
    Dou graças a deus ser como sou, não sou perfeita claro, mas ver aquelas pessoas e ver o que sofrem até a mim me magoa.

    Qualquer das formas, boa matéria ^^
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Claudia, como vai? Realmente a sensibilidade é algo que me chama a atenção. Seus pensamentos são corretos. Temos que entender também que era outra época, mas o humanismo é algo inerente e aqui foi esquecido. Abraços e volte sempre que quiser :)

      Excluir
  6. Dando uma passadinha. Adorei o Blog! Sucesso. (Primeiro comentário). lol

    ResponderExcluir
  7. Sem dúvida que a vida dessas pessoas era muito triste, ser atração de horror não pode fazer bem ao psiquismo de ninguém, e isso se admitirmos que não sofressem maus-tratos (o que não é nada de se duvidar), mas, só pra mostrar como sempre existem pontos de vista diferentes, lembro de um episódio de Supernatural (acho que é "Todos Amam o Palhaço") no qual Sam e Dean estão falando com um homem que dirige um parque de diversões e ele lhes conta que seu pai dirigia um "freak show" até isso ser proibido por razões humanitárias. "Então", continua ele, "todas aquelas pessoas perderam um ganha-pão honesto e passaram o resto de seus dias apodrecendo em hospitais ou asilos". Como parece muito improvável que a maioria dessas pessoas conseguisse um dia ter uma vida normal, a dúvida é sobre o que seria "menos pior" para elas. Triste situação. Abraços.

    ResponderExcluir