English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

RELATO DOS LEITORES (4)


Olá amantes do terror, como vão? Espero que ótimos!

E la vamos nós novamente com mais um relato dos leitores. Esta seção do blog destina-se somente a relatos que recebemos de nossos adorados leitores. São dezenas por mês, portanto peço paciência a todos que enviaram alguma contribuição. Todos serão postados, mas em seu devido tempo.

É importante esse espaço para unir o blog com o público, mas o mais importante disso tudo é mostrar para todos que as sombras existem e que quase todas as pessoas do mundo tem algo para contar sobre o sobrenatural. 

Alguma coisa estranha já aconteceu com você?

Caso você tenha algo para relatar, nos envie um e-mail para queromedo@gmail.com ou use gadget de enviar relatos no lado direito do blog. Estamos aguardando sua contribuição!

Todas os relatos abaixo não passaram por correção alguma, para que assim mantivessem a característica simples de uma conversa informal; como se um amigo estivesse relatando algo assustador que vivera.

Bom proveito a todos e continuem contribuindo. 

Um abraço aos leitores que contribuíram para essa postagem. AQUI, TERROR É CULTURA!



O Galo do Capeta



Olá, pessoal do blog. A tempos venho seguindo todos os relatos, postagem de fotos e videos.. leio tudo nesse site e eu me identifiquei muito. Até o recomendo para quem eu conheço.

Pois bem, o que vou relatar agora é meio bizarro, mas eu nunca fiquei tão amedrontada (e curiosa também) em toda minha vida.

Eu tenho 8 irmãos, sou maior de idade e o acontecimento foi quando eu tinha mais ou menos 16 anos. Tínhamos ido morar numa espécie de casebre por poucos dias pois nossa casa estava sendo reformada, e minha mãe não nos deixava lá na mudança pois meus irmão pequenos queriam mexer nas tralhas dos pedreiros, ai fiquei tomando conta dos meus irmão por ser a mais velha.
Tudo era muito escuro a noite, e quando refletia a luz da rua para dentro dos quartos eu via a imagem de um galo na parede (no casebre não tinha forro, e o galo ficava em cima da parede.. acho que vocês intenderam). Eu ficava encucada com aquilo: -"como um galo estaria em cima do muro, acordado, em plena 11:40 da noite?" Vi essa imagem e se passaram uns 2 dias (ou mais) e apareceu de novo.. o mesmo galo, na mesma hora e no mesmo local. Naquela hora, eu me arrepiava inteira, puxava o acolchoado ainda mais pra cima de mim e ficava só os olhos a mostra. E o mais curioso é que não tinha galo e nem galinha por perto. Onde o casebre ficava era na área urbana já, o lugar mais próximo onde tinha galinha era numa granja há 1 km/h de distância, então, não tinha a lógica dele bendito galo ficar ali, né. [tem mais algumas partes da história que não posso revelar, mais vou pular pra parte mais curiosa].

Na penúltima noite que estava ali na casinha, já estava mais claro até, a porra do galo apareceu. Me lembro como se fosse ontem! Eu deitada no meu colchonete, com o cobertor quase cobrindo meus olhos.. e o galo na minha direção, mas o pior de tudo é que ele estava olhando pra mim com aquele olhos pretos fixos, até parecia que ele ia me picar. Foi ai que ele saiu do lugarzinho dele e veio em minha direção. Gente! Juro por tudo que é mais sagrado nessa minha vida! Ele subiu na cama, e vinha em minha direção bem devagar. E a cada pisada dele eu sentia um peso enorme nas minhas pernas. Parecia que cada pisada dele dava uns 5 kg. Aquele peso todo e ele vindo em minha direção, que pavor que senti naquela hora! Quando ele estava mais ou menos passando do meu joelho, eu senti tanto medo que não conseguia me mexer e nem mover a coberta de cima de mim. O medo era tanto que eu nem piscava! O galo doido veio devagarzinho até que chegou na altura do meu rosto e ficou olhando (encarando) pros meus olhos. Credo, eu lembro disso e chega choro! Eu me lembro bem daquele olhos pretos do galo. Dava pra ver até o reflexo da luz de fora nos olhos dele. Gente, foi horrivel! Só me lembro que quando ele me fitou um tempo, a única coisa que consegui mexer era meus dedos. Consegui puxar a coberta pra cima da minha cabeça e fechei os olhos com tanta forma que até lacrimejava. Na hora que eu pus a cabeça por completo por debaixo da coberta, aquele peso do galo foi sumindo, aliviando cada vez mais. Dei aquela olhadinha básica pra ver o galo estava ali, e finalmente ele tinha sumido. Foi ai que gritei a minha mãe e chorei igual uma condenada.

Que situação foi aquela! Apesar que, depois desses dias com o galo eu nunca mais vi nada assustador assim. E naquele dia só dormi com a mãe do meu lado.

[rsrsrsrsrsr] Hoje eu lembro e do risada. Mas naquele dia nunca passei tanto medo. Não pelo fato de ser um galo, mas da forma que ele me olhava e andava por cima de mim.

Bom, esse foi meu relato sobrenatural. Espero que tenham gostado. Foi bizarro, mais foi sinistro, pqp. (:

Atenciosamente, Charlote.



Nunca mais Cético



Olá caro amigo, gostei muito do seu blog, sou amante dos suspenses e histórias adversar rs

Me apresentarei apenas como "Unknown" , bom sou apenas um ser curioso, aviso-lhes que sou extremamente cético quanto a relatos, mas não costumo negar fatos... não sei se mais alguém ou alguém está lendo essa mensagem nesse momento, pode ser que se perca na imensidão eletronica... pra começar, gosto muito de relatos diferentes e sombrios... não pela obscuriedade dos fatos, mas pelo mistérios envolvidos neles, mistério me fascina... o desejo de saber o que se há em coisas que não se pode saber é de natureza humana.

Perdoem-me erros ortográficos, são 01:51 e também não sou o melhor dos escritores....

Como ja disse, sou cético, acreditem no que quiserem, eu acredito só no que vi....

"[...]Certo dia estava caminhando junto a uns prédios de uma vizinhança de onde eu morava, prédios digamos... meio que sombrios, de aparencia velha e medonha, mas minha descrença nunca me deixou ver mais do que prédios... o que realmente são...

Para introduzi-los no relato vou contar-lhes uma histórinha que todos do bairro escutavam....

"Off = "Certo garotinho de aparência atraente, um menino vistoso, de pouca idade, recentemente chegado ao local com sua familia, estranhamente distante, de poucas palavras, cumprimentos gestuais era o maximo que se tiravam deles, porém o garotinho, que não se sabem o nome ou se perdeu no tempo... Estava sempre com seu triciculo, vilotrol não sei expecificar-lhes, cada um conta de uma forma, mas é sempre a mesma história. Esse garoto curioso, vivia sózinho pelas ruas, andando com seu "Triciculo" (vou chamar assim), horas da noite e aquela criança andando e andando, olhando e avistando.
Disse Certa senhora, que durante a madrugada avistou pela varanda da onde ouvia seu rádio, a pobre criança na entrada dos prédios (maléficos?) a criança olhava fixamente pra elas, a senhora curiosa se aproximou do muro para observar melhor, estava longe mas ela diz que havia ódio no rosto da criança... ódio ? como assim ódio... ? sim a criança fitava o prédio com desprezo a velha ao olhar pros prédios disse te visto o mal em cada andar, luzes fumassentas e foscas de cores desconhecidas dela brilhos estranhos e deformidades no prédio, como se tomasse vida, como se encarasse a criança como se a quizesse, e num subito arroto "sim o prédio havia arrotado" e dentre o bafo sai uma figura negra de olhos vermelhos a velha relata como um tigre negro... eu não, vocês vão saber por que...
o tigre perseguiu o menino pelo parque em frente aos predios, o menino corria pedalava e o tigre atrás.... bom, não se sabe o que aconteceu la dentro, só ouvia-se gritos e gemidos... no outro dia a familia se mudou, "a mas e o menino e o que houve?" exatamente, a familia não deu a minima pelo garoto, como se ele nem existisse. não se foi encontrada a familia posteriormente, nem o garoto, apesar de buscas terem sido feitas.
uma unica coisa foi encontrada... um triciculo ensanguentado, e um boné amarelo com as iniciais. "K.D.B" em uma tinta vermelha fraca, estranhamente mesmos simbolos desenhados no topo do prédio...."

Bom isso foi só pra vocês ficarem por dentro do meu relato

"On = " [...] Certo dia caminhando pela frente desses prédios, colegas me contaram a história do garotinho e da pantera, sempre imaginei como uma história pra manter crianças curiosas dentro de casa.
Bom estranhamente certo dia, eu caminhando pela rua dos prédios "sim chamava-mos a rua de (a rua dos prédios)" vejo a entrada do parque.... tentador metade do caminho pra casa, economizando 30 minutos ?
- Haha Perfeito
Parti em direção aos sombrios prédios pelo exato caminho central do parque... éra um caminho meio que longo talvez 1 ou 2 km no primeiro trecho do caminho , ouvi sussurros do que parecia ser uma criança brincando ou conversando com seu boneco preferido...
não me importa, decidi que andaria mais rápido, apressei o passo ouvi o barulhos do plastico duro e seco correndo contra o som áspero do parque, apressei ainda mais os passos, tornando-os praticamente um trote.
ainda ouvia o som ainda mais perto, como se alguem corresse do meu lado pedalado em um velotrol ou velocipede,(tanto faz) olhei pra trás, instantaneamente o barulho também parou, mas bem no fim, perto do portão torto, estava uma criatura, o que era ? a pantera ? o tigre negro?  não éra um cachorro, um grande e enorme cachorro negro de olhos reluzentes e vermelhos, suas baforadas expeliam o ar quente que se tornavam fumassa em sua frente. eu o fitei por alguns segundos e fechei os olhos torcendo pra ser uma peça da minha mente, bom da minha mente ou não, e corri quando aquela "COISA" enorme correu em minha direção eu corri muito, olhava pra traz e não via nada, mas sabia que aquilo estava atraz de mim e corri mais e mais rápido olhando pra traz, aquele cão se aproximando com seus dentes horriveis e seus olhos vermelhos como fogo... até que tropecei e me arrebentei no chão, o bixo pulou sobre mim e correu sem olhar pra traz até ser "Engolido" pelos prédios... levantei assustado e ralado, e olhei em volta, achei o objeto que havia tropeçado... éra um velotrol infantil ... em cima havia um vestido pequeno, peguei ele, havia sangue (acho que é sange não fiz nenhum exame forence :)   ) na gola tinha as iniciais "K.D.B" eu olhei pro prédio e elas estavam la, como que se mostrando pra mim...[...]

Bom caro amigo ou amigos... com vocês podem ver, não é nenhum filme de ação nem nada aterrorizante, mas fiquei com algumas coisas na cabeça... éra uma menina ? e o cachorro ? e as letras ? "KDB" o que eram ?

- Eu pesquisei muito sobre, e não achei muita coisa, aliaz não achei nada, mas no bairro através de conversas e resenhas, acabei descobrindo o que eram tais letras.....

e uma história bem interessante sobre uma menina ..... o que não vem ao caso, se deseja saber talvez eu possa contar posteriormente...


Atentamente ........................UNKNOWN



 Mais que Diabo !



          Olá sou fan do seu blog, e bom aqui vai mais um relato se gostar espero que poste.

          A muito tempo atrás, muito tempo, existia uma família que morava numa casa feita de pedra ela tinha praticamente dois pisos, seria a casa em si e o porão, o porão era os quartos das crianças, quem será que usa um porão para quartos? mas essa família além de ser muito grande como o normal daquele tempo, exatamente uns 13 a 14 filhos, ela era pobre também, não tinha muitos luxos, mas enfim. Tinha uma guria, filha dos velhos, ela era muito digamos ruim, gritava com todo mundo, com a mãe, irmãos sempre falando nomes, palavrões sempre falando "mais que diabo" e assim por diante.

          Num certo dia essa guria ficou sozinha em casa, ela estava no porão em seu quarto, ela era muito mal criada com sua mãe não a respeitava, e nesse dia aconteceu uma coisa que ela nunca esquecerá e que nunca imaginava que iria acontecer e claro ela nunca quis. Nesse dia ela recebeu uma visita, uma visita que para alguns é o fim e para outros bom imagino que algumas pessoas até gostariam, mas eu não iria querer.

          Como ela sempre o chamava sempre, poderia acontecer qualquer coisa, uma simples discussão com a família ou alguma coisa que não não dava certo ela o chamava, ela falava "mais que diabo", então nesse dia ela teve uma visitinha dele, do dito cujo.

          Ela estava no seu quarto sozinha em casa, e então ele veio, como ela estava sempre o chamando ele resolveu fazer uma visitinha, ele perguntou o que ela queria que sempre o chamava por seu nome, se ele não tinha feito nada, porque o chamava, se ela desejava que ele fizesse algo ele iria fazer, bom contando ninguém acredita, mas bem alguma aconteceu nesse dia, ela ficou com muito medo, pense bem o dito cujo em seu quarto, uma presença que ninguém quer.

         Então logo depois a sua mãe chegou, encontrou ela chorando sozinha, assim que viu a sua mãe a primeira coisa que ela fez foi pedir desculpa por tudo que tinha feito, que nunca iria mais repetir aquelas palavras, e contou toda a história do que aconteceu, ela nunca mais conseguiu ficar sozinha em casa de medo de receber mais um visita.

        Alguns dias depois uns de seus irmãos sumiu, ninguém o encontrava em lugar algum, pensando no pior saíram a procura, acharam ele no meio do campo uns 2 km de distancia da morada, todo machucado ele tinha permanecido em casa a só, ele estava chorando. Perguntaram o que aconteceu, ele disse que ele o diabo apareceu e o arrastou até lá, explicaria os seus ferimentos, então a história da sua irmã era verdade? ou os dois tinha ficado realmente loucos, com certeza loucos eles não ficaram, e ai  como você é com a sua família? com a sua mãe? seus irmãos? você fica chamando por um ser que não queira ter um encontro? cuidado um dia ele pode aparacer...


Douglas Francisco






6 comentários:

  1. Muito bom vou mandar o meu agora!! O galo foi o melhor.

    ResponderExcluir
  2. Adorei! Espero que o anônimo continue com a história!

    ResponderExcluir
  3. Olá. Eu acompanho o blog a mais de um ano e pela primeira vez queria deixar minha opiniao sobre o post: hmm... o primeiro relato tem cara de parilisa do sono p mim, tipo mto parecido. Confesso q fiquei um pouco apreensiva por morar em zona urbana, mais ter uma criacao de galinhas em casa com dois galos ;-; O segundo relato é meio fantasioso, e dificil de acreditar até p mim q costumo acreditar em reatos sombrios como forma de protecao, tipo vai q aconteca cmg ja sei oq fazer, embora o medo bloqueie minhas acaoes fisicas sempre! O terceiro foi realmente, impactante digamos, pq tipo falo muito palavrao. Confesso que fiquei meio receosa.
    Enfim, nao me levem a serio. Sou so mais uma leitora aq. Parabens pela excelente qualidade do blog, serio, nao encontrei nem um comparavel a esse nivel ainda. Continuem assim por favor! 0/ Ohana Cabral.

    ResponderExcluir
  4. Relatos muito bons, adorei a do galo kk. A do Unknown, o que me chamou atenção é que não é a primeira história de cachorros (ou outro animal) com olhos vermelhos que ouço, meu amigo já afirmou para mim ter visto um que tentou atacá-lo e para se defender ele tacou uma pedra no cão, que se dissipou numa fumaça negra.. Curiosa sobre as partes omitidas na história pelo Unknown.

    O último relato me deu um cagaço do caramba, vou parar de falar "Ah Inferno" cada vez que me extressar. ahushsuas

    ResponderExcluir
  5. Amei demais!! Muito bom..O melhor blog de terror do Brasil.

    ResponderExcluir
  6. O do galinho foi bem legal, me acabei de rir aqui :3

    ResponderExcluir