English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

CADEIRA ELÉTRICA - COMO FUNCIONA?


Sempre foi uma grande curiosidade saber como funciona uma cadeira elétrica. O aparelho é assustador e arcaico e já ceifou mais de 4.500 vidas de modo cruel, infelizmente. Esse artigo encontrei na revista "Mundo Estranho" e estou postando para vocês. 

É bem interessante.

Quando surgiu, em 1890, nos Estados Unidos, ela foi apresentada como um sistema moderno e eficaz para substituir métodos de execução considerados pouco civilizados, como o enforcamento, em que a pessoa agonizava por muito tempo antes de morrer. A questão é que a solução elétrica também não era imune a cenas de horror, como a de condenados literalmente fritando durante o procedimento – tudo isso diante de testemunhas, muitas das quais desmaiavam, vomitavam ou deixavam a sala de execução em pânico. Foi por essas e outras que, a partir de 1978, com o surgimento da injeção letal, considerada mais “humana”, o uso da cadeira começou a declinar. Hoje, dos 36 estados que adotam a pena de morte nos EUA – único país do mundo onde existe a prática –, apenas nove deles conservam a cadeira como uma das opções do condenado. De uso cada vez mais raro, o aparato, ainda assim, tem um currículo macabro de quase 4 500 presos eletrocutados nos EUA desde a sua introdução. 




TRONO LETAL
Aparato gera corrente de eletricidade que destrói órgãos vitais e aniquila o condenado

ESPONJA QUE ASSA
Uma esponja embebida em solução de água com sal é colocada entre o primeiro eletrodo e a cabeça do condenado. A solução salina conduz bem a eletricidade, facilitando a passagem de corrente para o cérebro. Sem a esponja, a cabeça pode até pegar fogo!

EQUIPAMENTO DE PRÓ-TENSÃO
O capacete de metal abriga um eletrodo, também de metal. É por esse eletrodo que a corrente vinda do gerador entra pelo corpo. O capacete é revestido internamente de lã, para evitar que o metal entre em contato com a pele, queimando-a e grudando na cabeça.



TAPA-SANGUE
Um capuz cobre a cabeça do condenado para evitar que as testemunhas vejam sua agonia. Com o choque, os músculos do rosto se contraem e os olhos podem até saltar das órbitas. Além disso, é comum ocorrer sangramento dos olhos, ouvidos e narinas.

USINA DA MORTE
Os geradores operam em ciclos de choques com tempos e voltagens diferentes. Em geral, o condenado recebe uma descarga de 2 300 volts por oito segundos, outra de 1 000 volts por 22 segundos e, por fim, uma de 2 300 volts por mais oito segundos.

CINTA-E-LIGA
Feitas de couro ou de náilon, as cintas prendem o peito, os pulsos e os tornozelos. Elas são apertadas bem firmemente para manter o condenado imobilizado, pois o corpo chacoalha violentamente durante a eletrocução.

ASSENTO ISOLANTE
Firmemente presa ao chão, a cadeira, em si, é um objeto simples, mas com um detalhe importante: é feita de madeira, para não conduzir eletricidade de forma difusa. O chão em torno do assento é revestido de borracha, também para não conduzir corrente.

CURTO-CIRCUITO
Outro fio do gerador liga-se a um segundo eletrodo – como o da cabeça –, que é preso em uma das pernas. Assim, fecha-se o circuito entre os dois eletrodos, com o corpo funcionando como condutor entre eles.

VESTIDO PARA MORRER
Como o criminoso é preparado para a execução

DEPILAÇÃO PREVENTIVA
Raspa-se um círculo de 8 centímetros no cocuruto do sujeito, para evitar que os cabelos peguem fogo. Pela mesma razão, são raspados os pêlos da região da perna em contato com o eletrodo.

EM FRALDAS
Durante a eletrocução, a pessoa perde o controle das funções fisiológicas, ou seja, urina e defeca involuntariamente. Para evitar o espetáculo grotesco, ela é vestida com uma fralda sob as calças.

EXIBIÇÃO FINAL
Tudo pronto, leva-se o condenado à sala de execução. Diante das testemunhas, ele diz algo, como o próprio nome, só para provar que está vivo. Ele então é preso à cadeira – e inicia-se a eletrocução.

FALÊNCIA MÚLTIPLA DE ÓRGÃOS
Morte ocorre por um conjunto de fatores

Como a corrente entra pela cabeça, a primeira região atingida é o cérebro. A descarga inicial, de altíssima voltagem, paralisa o órgão, “apagando” o condenado.

Com cerca de 10mA (miliampère), um choque já provoca dor. O primeiro baque da cadeira é mil vezes maior que isso! O coração pára ou, no mínimo, ocorre intensa arritmia. Nas descargas seguintes, a parada cardíaca é certa.

O calor gerado pela corrente elétrica literalmente frita os órgãos internos, como pulmões, estômago e intestinos. Já chegaram a ocorrer casos de o corpo pegar fogo!

14 comentários:

  1. Deus me livre! Naum qr nem chegar perto de uma dessas!!! E alias gostei muito desse post :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também to correndo dela! hehehe Valeu ! volte sempre.Abraços

      Excluir
  2. Naum sei vcs mas eu acho bem mais humano ( e ate prefiriria) o enforcamento do q a cadeira eletrica!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse método é realmente cruel. Tem um filme chamado A espera de um milagre, e numa cena mostra um preso sendo executado na cadeira elétrica, mas sem a esponja. Assim... é um filme mas a cena é chocante.

      Excluir
  3. Eu tenho esse filme em casa mas nunca vi, mas assim q tiver um tempinho vou assistir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É ótimo o filme. Tenho certeza que vai adorar. Abraços

      Excluir
  4. Santa Mãe de Deus, eu lendo e imaginando a agonia dos condenados, me fez repensar bastante na pena de morte, acho que ninguém tem o direito de tirar a vida de um ser humano, se ele errou por que matou 1000 pessoas não é tirando a vida de outra pessoa que vai resolver o caso. ps: Ótimo Post

    ResponderExcluir
  5. Olá Naomi como vai? Eu também não sou a favor da pena de morte. Existem outros meio de punir alguém. Mesmo que ele mereça a sociedade não deve se comportar como um assassino. Abraços e volte sempre!

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe Gilson ter que remover o comentário, mas infelizmente segundo a uma lei estadual eu sou em partes responsável por ele! Abraços e valeu pela visita.

      Excluir
  7. Post interessante. Será que teve algum caso de algum condenado que sobreviveu à cadeira elétrica?

    Seria interessante um post à respeito, o que acha?

    Parabéns pelo o blog, gostei muito ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luiz. Uma ótima idéia de postagem, valeu pela dica. Que bom que gostou do blog e obrigado pela visita e comentário. Volte sempre que quiser. Abraços!

      Excluir
    2. Olha Luiz, mesmo que alguém tenha sobrevivido ao choque no primeiro momento, coisa que acho muito difícil, as sequelas deixadas pela passagem da corrente elétrica nos órgãos e principalmente no cérebro, certamente o levaria à morte em pouco tempo, ou até o mesmo iria viver vegetativamente.

      Excluir
  8. pode me ajudar a desenvolver meu blog

    ResponderExcluir