English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Anathema - Agonia

Acordei a cerca de 10 minutos nesse lugar, o que parece ser um quarto de hospital ou uma cela de algum cárcere estadual, mas não consigo distinguir muito bem onde estou e como vim parar aqui... A escuridão é intensa, parece que encobre inclusive os sons e odores, pois não sinto nada... Creio ter passado 5 min nesse estado de inércia subconsciente, deitado no que se parece com uma maca, até que ouço passos... parecem passos dados com sapato de salto alto... não sei se devo ficar feliz ou com medo... Por via das dúvidas, como se houvesse escolha, apenas esperei hipnotizado pelo ritmo assincrônico dos passos, que iam aumentando gradativamente o volume, até que ao longe uma luz se acende, percebo que e uma porta e a luz passa por baixo dela... ela está a cerca de 8 m de onde estou agora, os passos continuam aumentando um pouco mais seu volume até que por baixo da porta surgem duas colunas de sombra...

Sábado, dia 28 de setembro, lá fora há uma leve garoa caia e um friozinho confortável começava a surgir, após o calor infernal das ultimas semanas. Eram cerca de 0h00 quando me deitei para dormir, mas já passava das 4h00 da madrugada quando percebi que estava em uma crise de insônia, então peguei meu cobertor e fui até a sala, ligando a TV estava passando um episódio da segunda temporada de "Elementary" no Universal Channel, achei que seria uma série "assistível", fiquei em posição de lótus e cobri minhas pernas com o cobertor, com o controle em mãos, abaixei um pouco o volume devido o horário e relaxei um pouco o corpo, assistindo a série confortavelmente, quem sabe uma série com a Lucy Liu me faça dormir melhor...

Os passos cessaram em frente a porta, vejo as sombras trepidando, como se o que estivesse do outro lado estivesse tremendo e tomando coragem para abri-la. Isso persistiu por infinitos 40 segundos até que ouço o ruído metálico do trinco da porta, que se destravou, e levemente a maçaneta gira, com toda a paciência do mundo... A porta abre lentamente... Visualizo uma forma humanóide antes da luminosidade afligir meus olhos o que me faz desviar o olhar por alguns segundos...



O episódio da série acaba, parece que irá passar um filme, "Distrito 9", eu já vi e gostei do filme, acho que vou assistir novamente... Por algum motivo a palavra filme me lembra pipoca, e acho que há alguma no armário, como pelo jeito o amanhã já é hoje, acho que vou fazer uma... Por sorte, havia o ultimo pacote de pipoca para microondas, com manteiga, no armário, retiro o plástico, coloco para estourar no microondas, 3 minutos e meio devem ser o suficiente, há um resto de refrigerante de limão na geladeira, acho que é um bom acompanhamento...

Meus olhos demoram um pouco para se acostumar, quando volto a enxergar, percebo que estou em um quarto comum nesse tempo todo, acordei em uma cama e a mobília que tanto tateei foram simples móveis domésticos, uma cômoda com espelho e um raque para televisão... Então reconfortado por estar em um ambiente familiar, foco minha visão na criatura que se aproxima, ela está parada na porta, a uns oito metros de mim, a visualizo de baixo para cima, é uma criatura humanoide, inteiramente branca, nua, bela, parece uma entidade andrógena feita em porcelana, esqueço por um segundo o qual bizarro é essa cena, passo a visão em suas pernas, joelhos, tudo perfeito, quadril, estomago, peito... começa a ficar tudo ainda mais bizarro... na altura do peito, há algo que parece ser uma escotilha de acrílico, abrigando o que parece ser um coração humano, enegrecido, batendo, pulsando... Na verdade fazia algum tempo que houvia um som rouco de algo batendo, de um coração batendo, não havia me dado conta o suficiente para isso me assustar, mas agora o barulho está mais alto e percebo que vem desta criatura... Ela fixa a visão em mim por um tempo, até que de seus olhos começar a descer o que parecem ser lágrimas, lágrimas negras, que se parecem com piche pela cor e viscosidade, o coração dela começa a acelerar os batimentos, ela começa a ter uma série de convulsões, espasmos...

Três minutos nunca duraram tanto... O filme já está para começar, vou beber um copo de refrigerante desde já... Parece que o sono está querendo vir agora... Agora já é tarde demais, talvez depois do almoço...

Acho que acabei de me urinar, mas estou estarrecido de mais para averiguar isso agora... A criatura emite um guincho que me ensurdece por um tempo, e começa a caminhar de uma maneira perturbadora, seu corpo se convulsiona, parece ter espasmos a todo momento enquanto anda, emite um ruído como se estivesse respirando com dificuldade e seu coração batendo em acelerado... está andando em minha direção, , meu corpo não se mexe, não sei o que aconteceu, eu quero correr, eu quero chorar... Passei a infância toda arrumando desculpas para não ir a igreja no domingo, passei a adolescência toda criticando qualquer forma de culto religioso e cuspindo em chãos de templos, agora, nessa situação, a primeira coisa que fiz foi rezar em voz baixa, balbuciando frases que para mim fazia todo sentido...

A criatura para a menos de um metro de mim, percebo que o material de sua delicada pele é algo próximo do vidro, como o material de uma lâmpada fluorescente, ela me encara com seus olhos sem vida, que sem nenhuma forma, secreta aquele liquido escuro e viscoso, o barulho de seu coração batendo, trepidando, querendo explodir, é perturbador... Agora tenho certeza que me urinei e acho que também estou chorando...

Ah! A pipoca está pronta, hora de voltar para a sala para as....

De repente, como se tivessem sido cortados alguns "frames" da cena, a criatura desaparece... todas as poças que ela deixou com suas lágrimas grudentas desaparecem... a luz se esvai lentamente... ouço um sussurro em meio a escuridão... Palavra que não uso com frequência, mas acho que nessa situação... convém...







- Agonia,
Parte 1

Continua...



---

Olá,
Alguns devem ter percebido que há um colaborador fantasma no blog a algum tempo... Eu...
Acontece que passei por problemas técnicos em casa, envolvendo raios, chamas, computadores e dinheiro (uns mais e outros menos)...
Enfim, a partir de hoje serei mais uma dessas criaturas que sentem tanto prazer em passar a emoção mais pura do ser humano: O Medo.
Eu espero que tenham gostado da creepy de estreia, mas indiferente de terem ou não gostado, fica aqui firmado meu compromisso com vocês de melhorar cada vez mais...
Caso queiram que eu continue com ela, por favor, postem suas críticas nos comentários...


Nos vemos semana que vem, e não se esqueçam de apagar as luzes quando estiver voltando do banheiro antes de dormir...
Boa Noite

"As vezes as pessoas merecem mais que a verdade, merecem ter sua fé recompensada." - Coringa

4 comentários:

  1. Legal, mais um coselho para a outra postarem. Podia ser de possessão reais ia ficar bem assustador, falar sobre coisas incrível mais macabro, falar sobres o desconhecido... Então vai fazer essa postarem ? Amigo(a)
    Obrigado tchau

    ResponderExcluir
  2. Eu não entendi muito o Final, qual palavra ele não usava com Frequência ?

    ResponderExcluir
  3. Muito legal mesmo, tudo de bom.
    Se essa creepy for de sua autoria, meus parabéns é a minha única crítica. A temática é inovadora, e nenhuma vez na minha vida de Crepylover eu li algo tão natural e ao mesmo tempo hipnotizador, se houvesse um ranking de 0-10, acho que eu daria nota 20, duas vezes melhor que a melhor que eu já tenha visto, muito obrigado por me proporcionar uma leitura tão prazerosa.

    ResponderExcluir